segunda-feira, 8 de julho de 2013

Há cerca de 10 dias recebi uma notícia que me abalou. Essa notícia envolve uma amiga minha. Essa minha amiga foi minha colega de faculdade, não éramos muito chegadas mas sempre gostei dela. Alegre, gira, cheia de vida e muito querida. Aconteceu casarmos exactamente no mesmo dia. Há menos de dois anos. Estive com ela há cerca de um mês e ela falou-me no quão feliz era no seu casamento. No quanto o adorava. Como planeavam ter filhos. Falou-me de algumas discussoezinhas sem importância, manias dele, manias dela. O costume. Lembro-me que fiquei realmente feliz por ela.
Infelizmente numa feira em Alcácer do Sal, algo correu mal demais. Não sei ao certo o que se passou. Não sei quem esteve envolvido nem quais os motivos. Mas a tragédia aconteceu. O marido dessa minha amiga levou duas facadas. Esteve em coma uns dias e acabou por não resistir. Enquanto ele esteve em coma nunca por momento algum me passou pela cabeça que ele morresse. Tão novo. Tão novos. Isto não lhes poderia acontecer. Simplesmente não podia porque a vida não pode ser assim.
Mas aconteceu. Vi pelo Facebook que ele não tinha sobrevivido e a primeira coisa que me veio à cabeça foi o desespero, o horror, a dor que ela estaria a sentir. Pensei e ainda penso, e se fosse comigo? E se fosse o meu marido a ir embora assim, para sempre? Como é a vida depois de uma tragédia destas? 
A minha amiga ficou viúva com 30 anos. Não era casada nem há dois. Não tiveram nenhum filho. Ficam apenas as recordações, as fotografias, as cartas, as mensagens. 
É difícil dar-lhe a força que precisa. Não imagino sequer onde a ir buscar. Fiz questão de ir à missa no próprio dia e tudo o que fiz foi dar-lhe um abraço muito apertado e sussurrar-lhe "Força, minha querida..." enquanto os olhos dela cheios de lágrimas transmitiam um vazio incomodativo. Depois da missa ainda fiquei um pouco na igreja. Rezei. Rezei por ela sobretudo. Para que não lhe faltasse a força. 
Em casa continuo a rezar e a agradecer tudo o que tenho e por ainda ter, dia após dia.
Tantas vezes que damos as coisas por garantidas. As pessoas, a vida. E tudo pode desaparecer de um momento para o outro. 
Resta-me continuar a rezar para que ela tenha forças e siga em frente. Resta-me continuar a agradecer, a apreciar e a valorizar tudo o que tenho. 

5 comentários:

Mamã Apuros disse...

Estou toda arrepiada :s

Jo disse...

Que situação... já fiquei aqui de lágrimas nos olhos... Acho que ninguém imagina o que isso deve ser, ninguém está preparado para tal coisa... Que ela tenha a força necessária para seguir em frente.

M.M. disse...

Infelizmente sei o que é perder alguem que amamos... todos os dias nos lembramos... das palavras, dos sorrisos... falo constantemente dele para não o esquecer. Infelizmente não me recordo bem da sua voz (é o que mais me custa é não me lembrar da sua voz). Eramos novinhos... eu tinha 20 anos... ja passaram quase 10 mas nem por um dia me esquecerei. Nunca consegui apagar o seu nr do meu tlm (é estupido eu sei, mas la continua intacto). Aprendemos a (sobre)viver, podemos amar novamente (a tua amiga é nova... irá certamente encontrar alguem e voltar a amar) mas nunca se esquece.

Mary disse...

Também conheço a R. e ando de coração partido por ela.

Fiona disse...

O marido da tua amiga era aquele forcado que morreu recentemente? Fiquei sem palavras quando ouvi a história e quando soube que, infelizmente, tinha vindo a falecer. Toda a força para ela :(